Proteína animal - Alinhar as políticas ambientais mundiais
Um dos principais desafios do GTPS é fortalecer ferramentas como o Guia de Indicadores da Pecuária Sustentável (GIPS)
gtps

Assumi em julho, a presidência do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) com o objetivo de fortalecer os elos da cadeia da carne no avanço da pecuária sustentável no Brasil. Acredito ser necessário encontrar uma forma de produzir o suficiente para atender a demanda mundial de proteína animal no presente e no futuro, sem colocar em risco nossas riquezas naturais, fundamentais tanto para o próprio negócio, quanto para toda a humanidade.

Nossa realidade hoje é bem diferente de há dez anos, quando o GTPS foi criado. Hoje sabemos que somos uma potência AgroAmbiental, com mais de 60% do nosso território coberto com vegetação nativa e dispondo de uma legislação ambiental moderna e conservacionista. É preciso que as instituições públicas ambientais (estaduais e federais) finalizem as análises de conformidade do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e proporcionem segurança jurídica aos produtores rurais brasileiros. Só através da regularização ambiental, da intensificação sustentável responsável (baixo carbono) e da criação de mecanismos que mensurem a sustentabilidade, o Brasil conquistará o respeito internacional que merece.

Quero contribuir para provar que é possível o setor produtivo e ambiental – com o apoio dos outros grupos (instituições financeiras, indústrias, varejo/restaurantes e insumos/serviços) – atuarem em uma agenda comum que agregue valor a produção sustentável, a biodiversidade e ao Brasil. Para isso vamos captar recursos para os projetos do GTPS junto a agências governamentais, fundos de impacto, associações de produtores, indústrias, varejo e fundações, buscando sempre garantir a idoneidade, transparência e o fortalecimento da confiança entre os elos toda a cadeia da pecuária.

Por isso, um dos principais desafios do GTPS é fortalecer ferramentas como o Guia de Indicadores da Pecuária Sustentável (GIPS), que permitem a identificação e mensuração dos atributos de sustentabilidade de todos os setores da cadeia (e não apenas dos produtores rurais). A partir do momento que o produtor obtiver ganhos financeiros resultantes da adoção de práticas sustentáveis de produção e conservação, criamos um ambiente de motivação econômica para que os outros produtores adotem essas mesmas práticas.

Com base nesses indicadores, também poderemos nos apresentar ao mercado mundial e pressioná-lo, se for preciso até via Organização Mundial do Comércio (OMC), a valorizar realmente nosso produto “carne sustentável” e os serviços ecossistêmicos prestados pelas reservas florestais em nossas fazendas. Desta forma, o Brasil deve caminhar para ocupar o lugar que merece na geopolítica mundial, uma potência AgroAmbiental essencial para a segurança alimentar e ambiental de toda a humanidade.

Caio Penido é  presidente do GTPS – Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS)

Publicada originalmente em : gtps.org


Related Posts

Leave a comment